Alzheimer

É uma doença degenerativa e progressiva do cérebro que afeta a memória, raciocínio, linguagem e produz alterações no auto cuidado e de comportamento. Pessoas com mais de 65 anos de idade podem desenvolver a doença, um pouco mais frequente em mulheres do que em homens. Existem três fases: 

  • Fase leve: a pessoa é sociável, mas os esquecimentos começam a interferir nas suas atividades diárias, dura em média de 2 a 4 anos;
  • Fase moderada: iniciam-se nesta fase desorientações quanto ao tempo e espaço, há dificuldades em reconhecer pessoas, familiares e de se expressar. É necessário para a própria segurança que o indivíduo esteja sob os cuidados de uma outra pessoa. É geralmente nessa fase que ocorre a maioria dos diagnósticos. Dura em média de 3 a 5 anos;
  • Fase grave: as pessoas nessa fase são totalmente dependentes, sendo necessário de cuidados 24hs por dia. Dura em média de 1 a 3 anos, o mais.

Fatores de risco:

  • Idade avançada;
  • Histórico familiar;
  • Lesões cerebrais;
  • Sexo feminino;
  • Indivíduos com pouca atividade intelectual.

Tratamento: o objetivo é controlar os sintomas e minimizar a progressão da doença. Fazer acompanhamento rigoroso com psiquiatra, neurologista e geriatra. A medicação será indicada pelo profissional. O trabalho exige um grande esforço físico e emocional dos familiares.

Como organizar a vida de uma pessoa com Alzheimer: 

Alimentação: dificuldade em deglutição e engasgos poderão acontecer.

  • Cortar os alimentos em pequenos pedaço;
  • O familiar deve orientar o ato de alimentar-se;
  • Lembrar ao portador de comer devagar;
  • Certificar-se da temperatura dos alimentos;
  • Servir pequenas quantidades.

Vestir: procure deixar as roupas em ordem para que o portador possa se vestir sozinho.

  • Selecione previamente três mudas de roupas e permita a escolha;
  • Evite roupas com acessórios complicados como: cinto, fivela, botões;
  • Nunca o apresse;
  • Prefira sapatos com solado antiderrapante. Evite chinelo.

Banho e higiene pessoal: 

  • Manter rotina para o banho;
  • Se o portador recusar o banho naquele momento, não insista, aguarde;
  • Deixe ele tomar banho por si próprio, ajudando somente quando não tiver condições;
  • Procure tornar um banho seguro, utilize barras de segurança ou cadeira de banho.

Cozinhar: o portador perde a coordenação e a percepção dos perigos. 

  • Verifique o quanto o portador ainda preserva a habilidade de cozinhar;
  • Ajude-o a tornar o ato de cozinhar uma atividade prazerosa e compartilhada entre o cuidador e o portador;
  • retire os elementos cortantes da cozinha ou aqueles que ofereçam riscos.

Incontinência: pode ocorrer a perda da habilidade de reconhecer quando ir ao banheiro.

  • Organize horários para o portador ir ao banheiro. 
  • Observe os hábitos das eliminações vesicointestinais;
  • Deixe a porta do banheiro aberta e, à noite, deixe uma luz acessa;
  • Certifique-se de que as roupas usadas sejam fáceis de ser tiradas;
  • ofereça líquidos até às 17 hs, limitando a ingesta de líquidos perto da hora de deitar.

Dirigir: torna-se muito perigoso, uma vez que os reflexos são mais lentos e a percepção comprometida.

  • Mostre a dificuldade e o perigo;
  • Sugira outro tipo de transporte;
  • Verifique quem da família pode dirigir quando necessário;
  • Guarde a chave do carro, impedindo que use;
  • Sugira a venda do automóvel.

Violência ou agressividade: há períodos que o portador ode apresentar agitação, raiva ou agressividade. Isso pode acontecer por uma série de razões tais como a sensação da perda do controle social e do discernimento, perda da habilidade de expressar sentimentos e entender as ações de outras pessoas.

  • Mantenha calma e não demonstre medo e ansiedade;
  • Procure chamar a atenção do portador para uma atividade mais calma;
  • Dê mais espaço a ele;
  • Procure descobrir o motivo dessa reação e evite-a no futuro.

 

Olá,

Deixe seu e-mail para receber as melhores informações sobre alimentação, comportamento e saúde.

Parabéns, você se inscreveu com sucesso!