Criança Hiperativa

A hiperatividade é um estado excessivo de energia que pode ser motora (está ligada à motricidade, aos movimentos. É a criança agitada, que não para quieta um segundo sequer) ou mental (profusão de pensamentos de modo desorganizado, em excesso, prejudicando o raciocínio da criança, além de tender a deixá-la desatenta, ansiosa, irritada e ou agressiva). É um dos componentes mais conhecidos do Transtorno de Déficit de atenção. A diferença é que a criança hiperativa mostra um excesso de comportamentos, em relação às outras crianças, além de dificuldade em manter a concentração, impulsividade e agitação. São a maior parte das vezes, pessoas com inteligência acima da média, carismática, cheia de energia, divertidas e criativas. Os especialistas apontam que as crianças com hiperatividade não tratadas a tempo, terão problemas na adolescência, sofrerão problemas para relacionar-se e inclusive fracasso escolar. Um tratamento contínuo à medida que a criança vá crescendo, permitirá que o transtorno melhore, e inclusive que se consiga controlar. Um especialista ajudará a criança a adquirir hábitos e estratégias cognitivas para que seu desenvolvimento social, familiar, escolar.

Causas:

  • Genética: pode ser geneticamente herdado. O problema poderia estar nos genes que codificam os sistemas que regulam a oferta de dopamina, serotonina e noradrenalina;
  • Biológica: uso de álcool, drogas e certos medicamentos durante a gestação por parte da mãe. Nascimentos prematuros, hemorragias intracranianas e falta de oxigênio durante o parto. Sequela de doenças no inicio da infância tais como encefalite, meningite, traumatismo crânio-encefálico;
  • Ambiental: todo agente psicossocial que interfere no desenvolvimento psicológico e emocional da criança. Conflitos familiares, transtorno mental nos pais, família muito numerosa, baixa condição socioeconômica, colocação em lar adotivo, criminalidade por parte dos pais, entre outros.

Sintomas: principal é quando não consegue aproveitar todo o seu potencial.

  • ficar esfregando as mãos ou pés, se contorcer na cadeira, balançar objeto;
  • Distrair-se facilmente com outros estímulos;
  • Dificuldade em permanecer sentado;
  • Ansiedade, Impulsividade e Inquietude;
  • Realizar com frequência atividades perigosas sem pensar nas consequências;
  • Parece não escutar o que é dito;
  • Interromper as pessoas;
  • Perder materiais necessários para as tarefas ou atividades;
  • Problema de organização e disciplina;
  • Dificuldade em brincar tranquilo, com uma coisa apenas;
  • Dificuldade em adormecer e sono de fraca qualidade;
  • Maior facilidade em aprender com a ajuda visual ou de movimento;
  • Deixa uma tarefa incompleta para realizar outra;
  • Problema em manter-se atento às atividades lúdicas;
  • Não aguenta esperar a sua vez em algum jogo ou tarefa em grupo.

Em que momento se percebe:

  • Durante a tarde e noite;
  • Quando as tarefas são mais exigentes e complexas;
  • Quando a informação são pouco interessante;
  • Quando a situação exige um comportamento mais controlado durante um espaço de tempo.

Tratamento:

  • Melhorar os sintomas do transtorno;
  • Diminuir os sintomas associados;
  • Melhorar a apredizagem, linguagem, escrita, relação social e familiar.

O especialista  orientará aos pais e professores; tratamento farmacológico; e tratamento psicopedagógico. As crianças hiperativas necessitam de muito apoio, compreensão e carinho, e sobretudo muita paciência para que pouco a pouco consigam desenvolver seu dia-a-dia com normalidade.

 

Olá,

Deixe seu e-mail para receber as melhores informações sobre alimentação, comportamento e saúde.

Parabéns, você se inscreveu com sucesso!