Chás Medicinais

Quem não se lembra do doce aroma do chá de camomila, apreciado em noites de insônia, ou do sabor amargo do boldo, socorro infalível após aquela feijoada de domingo? Conheça mais sobre esses e outros chás. As plantas medicinais são utilizadas como recursos terapêuticos pelos mais diversos povos desde primórdios da civilização. Segundo registros do padre José de Anchieta, na época em que os jesuítas chegaram ao Brasil, os índios já usavam a hortelã-pimenta contra a indigestão. O chá, uma bebida preparada por meio de infusão  ou decocção, é a forma mais simples de se obter os benefícios de plantas medicinais. “As ervas podem ser utilizadas inteiras, fragmentadas ou moídas”, explica Sérgio Tinoco Panizza, farmacêutico, presidente do Conselho Brasileiro de Fitoterapia e da Associação Brasileira de Fitoterapia. As ervas secas (folhas, frutos, flores, raízes) geralmente são encontradas em supermercados e farmácias. Já as naturais costumam ser vendidas em feiras. Nesse caso, é preciso atenção para evitar equívocos. “A chance de cometer enganos é grande, uma vez que comprador e vendedor nem sempre são experts do ramo. E, dependendo da espécie, cerca de 70% da planta in natura é constituída de água, o que dificulta a dosagem correta da substância ativa. Mais: a erva fresca, se o mal armazenada, pode conter fungos”, alerta o farmacêutico. As industrializadas são teoricamente mais seguras para o consumo, seguem padrões e protocolos de produção, secagem e armazenamento. Porém, também é preciso cuidado. “O produto deve estar acondicionado em embalagem própria e íntegra e constar o nome científico da planta, nome popular, parte da planta utilizada, registro na Anvisa, nome do fabricante e endereço, número do lote e prazo de validade. Certifique-se ainda da ausência de fungos, bolores, umidade e elementos estranhos, como areia, terra, pedras e insetos” ensina Panizza.

Dosagem certa

 Além das ervas, alguns frutos e raízes são usados para elaboração de chás. É o caso do limão e do gengibre. E, embora todos sejam naturais, não devem ser consumidos de forma indiscriminada. “É fundamental que  prescrição seja feita por médico, nutricionista ou farmacêutico” Resalta o especialista. Para evitar efeitos indesejados é essencial que a quantidade do produto (erva, fruto ou raízes) seja adequada, as doses indicadas sejam seguidas, assim como o tempo de tratamento. Pessoas que fazem uso regular de medicamentos devem verificar com seus médicos possíveis interações medicamentosas. E crianças, gestantes e idosos devem consumir somente sob orientação médica. As posologias variam conforme a faixa etária e o quadro clínico do paciente. “Algumas ervas, como canela, boldo do Chile, são proibidas para gestantes”, adverte Maria Antonieta de Barros Leite Carvalhaes, nutricionista, professora da Faculdade de Medicina de Botucatu, Universidade Estadual Paulista (UNESP). Confira a seguir chás simples de fazer e ervas fáceis de encontrar. Prepare-os com calma, aprecie seu aroma e desfrute de seus benefícios!

Como preparar sua bebida

Infusão: folhas, flores e frutos

  • Separe a quantidade prescrita da planta;
  • Aqueça a água até a fervura e despeje-a sobre a erva;
  • Mexa suavemente, tampe o recipiente e deixe descansar por 15 minutos;
  • Coe em uma xícara. Não adoce.

Decocção: cascas, raízes, caules e sementes da planta

  • Separe a quantidade prescrita da planta;
  • Aqueça a água em recipiente de vidro, ágata ou porcelana, com tampa;
  • Quando a água ferver a 100°C, misture as ervas na água e mexa suavemente;
  • Deixe em fogo baixo, tampado, por 5 minutos;
  • Desligue o fogo e coe o chá. Não adoce.

Chás:

Maracujá: folhas, infusão

  • Indicações: para quadros leves de ansiedade e insônia;
  • Contraindicações: não observadas até o momento, mas não deve ser tomado com medicamentos sedativos e depressores do sistema nervoso central;
  • Efeitos Adversos: eventual sonolência;
  • Posologia: 1 colher (sopa) do produto (3g) em 1 xícara de (chá) de água (150ml) fervidas, uma a duas vezes ao dia.

Gengibre: raiz, decocção

  • Indicações: náusea e vômito durante a gravidez; enjoo provocado por movimento (ônibus, automóvel, avião); problemas gastrointestinais;
  • Contraindicações: em casos de cálculos biliares, irritação gástrica, hipertensão e durante uso de anticoagulantes;
  • Efeitos Adversos: não observado até o momento;
  • Posologia: 1 a 2 colheres (café) do produto (0,5 a 1g) em 1 xícara (chá) de água (150ml) fervida, uma ou duas vezes ao dia.

Limão: fruto, infusão

  • Indicações: combate a gripe e resfriado;
  • Contraindicação: não observadas até o momento;
  • Efeitos Adversos: risco de fotossensibilização (manchas) em peles sensíveis;
  • Posologia: descasque 1 limão pequeno, esprema a fruta e reserve. Com a casca, faça a infusão em 1 xícara (chá) de água (150ml) fervida. Depois de 10 minutos, adicione o limão espremido. Beba uma xícara, de três a quatro vezes ao dia.

Canela: casca, decocção

  • Indicações: falta de apetite, problemas digestivos, flatulência (gases), sensação de plenitude gástrica;
  • Contraindicação: durante a gestação;
  • Efeitos Adversos: podem ocorrer reações alérgicas de pele e mucosas;
  • Posologia: 1 a 4 colheres (café) do produto (1 a 2g) em 1 xícara (chá) de água (150ml) fervida, duas a seis vezes ao dia.

Hortelã-Pimenta: folhas e flores, infusão

  • Indicações: cólicas, flatulências (gases), problemas hepáticos;
  • Contraindicações: em casos de obstruções biliares e danos hepáticos severos; durante a lactação;
  • Efeitos Adversos: eventual insônia e irritabilidade.
  • Posologia: 3 colheres (café) do produto (1,5g) em 1 xícara (chá) de água (150ml) fervida, três vezes ao dia.

Quebra-Pedra: flor, raiz e semente, infusão

  • Indicações: auxilia na eliminação de pequenos cálculos renais;
  • Contraindicações: cálculos renais grandes; gestação;
  • Efeitos Adversos: pode provocar diarreia e hipotensão (pressão baixa);
  • Posologia: 1 colher (sopa) do produto (3g) em 1 xícara (chá) de água (150ml) fervida, duas a três vezes ao dia.

Capim-Santo: folhas, infusão

  • Indicações: cólica intestinal e uterina, quadros leves de ansiedade, insônia;
  • Contraindicação: não observada até o momento;
  • Efeitos Adversos: não observados até o momento;
  • Posologia: 1 a 3 colheres (chá) do produto (1 a 3g) em 1 xícara (chá) de água (150ml) fervida, duas a três vezes ao dia.

Boldo do Chile: folhas, infusão

  • Indicação: dispepsia (distúrbios digestivos);
  • Contraindicações: obstrução das vias biliares, doenças severas no fígado, espasmos do intestino, câncer hepático e durante a gestação;
  • Efeitos Adversos: não observados até o momento;
  • Posologia: 1 a 2 colheres (chá) do produto ( 1 a 2g) em 1 xícara (chá) de água (150ml) fervida, duas vezes ao dia.

 

Fonte: Revista Delboni Auriemo – Medicina Diagnóstica

Add Comment

Olá,

Deixe seu e-mail para receber as melhores informações sobre alimentação, comportamento e saúde.

Parabéns, você se inscreveu com sucesso!